tardes ludicamente lotadas na creche!

creche

A  fase de dizer “quechi não mamãe, rua!” passou. Ando me divertindo e aprendendo tanto com colegas e educadoras que parece tudo uma festa! Tá bom, vez por outra ainda fico ranheta, mas só um pouquinho!

(…) a criança nem sempre tem clareza do que está sentindo e por que está sentindo. Ao se recusar a ir para a escola, ela não necessariamente está dizendo que não gosta da escola, das professoras, ou que algo ruim esteja acontecendo na instituição. Muitas vezes, podemos perceber que essa recusa em ir para a escola está relacionada a mudanças, por mais simples que sejam, dentro da rotina da criança. A mãe que tem trabalhado até mais tarde, a mudança do berço para a cama, a viagem do pai, a doença de um ente querido, o nascimento de um irmão, a visita de um hóspede em casa, a perda de um brinquedo, a troca da mamadeira pelo copo, a retirada da fralda, entre tantas outras situações que de alguma forma desestabilizam um pouco o dia-a-dia da criança.

A escola passa a ser um elemento que a criança consegue nomear e o usa para tentar demonstrar aos pais que algo a está incomodando.

mais aqui

Anúncios

visita na casa da vovó

etelvina

No domingo 13 de setembro, como de costume fui para a casa da vovó. Vovó só chegou bem depois, mas lá também estava a D. Etelvina. Nós brincamos e ela me deu de presente este urso divertido! Ela mora em Leme e estava louca para me conhecer! Eu, por minha vez, adorei conhecê-la também!

(…)em nossa cultura ocidental, os valores relacionados ao contato entre velhos e crianças remetem a questões cruciais, tais como: a pertinência do respeito à sabedoria preservada pelos idosos e a construção de seu diálogo com as novas gerações.

mais aqui

pré-festa

premaluq

Num sábado de Sol, nós três em casa, chegou o chapéu de panela que vou usar na festa de comemoração dos meus 2 anos, que tem como tema o menino maluquinho.  Logo eu fui para o quintal com ela na cabeça e mamãe registrou tudinho!

Era uma vez um menino maluquinho

Ele tinha o olho maior que a barriga

tinha fogo no rabo

tinha vento nos pés

mais aqui